porto musical

O Porto Musical é o mais importante encontro voltado para os profissionais da música no Brasil. Com seminários, speed-meetings, mesas-redondas e shows, o evento chega a sua sétima edição na cidade do Recife, em Pernambuco, entre os dias 4 e 7 de fevereiro de 2015.

Desde sua primeira edição, em 2005, importantes nomes do universo cultural e tecnológico promovem debates e ações transformadoras para os cenários locais, nacionais e internacionais. O Porto Musical reúne artistas, gestores públicos e privados, representantes de selos, gravadoras e instituições culturais em geral, além de pessoas interessadas nas novas tendências do mercado fonográfico.

Um ponto fundamental é a relevância dos convidados e das discussões que são trazidos ao evento. Esse encontro gera não só a qualificação e a evolução do mercado, mas a realização de negócios durante os dias de evento, afirmando um intercâmbio profissional cujo único objetivo é a difusão da música.

Programação – As atividades do Porto Musical ocorrem no Bairro do Recife, área onde se encontra o Porto do Recife e o maior parque de tecnologia do Brasil, o Porto Digital. Sua programação é dividida em três locais.

O Cine Teatro Apolo-Hermilo eh onde ocorrem as conferências e palestras. Já, na Torre Malakoff, ficam as salas de imprensa e produção, além de espaços dedicados à reuniões e encontros. Os showcases, gratuitos, acontecem na Praça do Arsenal da Marinha e visam mostrar ao público as tendências musicais e os rumos que tomam os mercados brasileiro e internacional.

Os chamados speed meetings, por exemplo, são uma oportunidade de criar a interação entre participantes e convidados. Formatados em rápidas conversas individuais, essa prática é responsável por estreitar as relações de negócios entre os profissionais, que podem trabalhar seus produtos com exclusividade.

Histórico - Ao longo das suas seis edições, o Porto Musical ofereceu cerca de 170 conferências, com quase 250 convidados e 80 shows de artistas contemporâneos. Mais de 4.000 profissionais já participaram das conferências e encontros do Porto Musical e mais de 50 mil pessoas assistiram seus shows.

Tomando como exemplo os grupos integrantes da programação da sexta edição do Porto Musical, a banda pernambucana Bongar foi atração convidada da edição 2014 da Womex, maior feira de música do mundo. Inclusive, fez show na AME no Cabo Verde e durante o evento fechou contrato com um agente para representá-los fora do Brasil, importante passo para desenvolver uma carreira internacional. Felipe Cordeiro e a Bixiga 70, também atrações de 2013, entraram na programação do Roskilde Festival após suas apresentações no Porto Musical. São resultados de ações da convenção para estimular a criação de redes de profissionais, trocar conhecimentos, fazer contatos e gerar negócios.

A realização do Porto Musical é assinada pela Fina Produção e Astronave Iniciativas Culturais em cooperação com a própria Womex e o parque tecnológico Porto Digital.

O Porto Musical e O Porto Digital

O Porto Digital é um dos pilares da nova economia do Estado de Pernambuco. Atuando em diversos campos do conhecimento, faz uma conexão intelectual com o Porto Musical e se verte numa plataforma multimídia de adesão cultural e criação tecnológica. Seja no desenvolvimento de software e serviços de tecnologias da informação, seja no incentivo à economia criativa, em especial os segmentos de games, linguagens audiovisuais, música, design e fotografia.

Atualmente, o PD abriga 240 empresas e organizações de serviços associados, tres incubadoras de empresas, duas instituições de ensino superior e dois institutos de pesquisa. Também é fundamental pontuar a presença do C.E.S.A.R (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), considerado por duas vezes a melhor instituição de Ciência e Tecnologia do País pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Tecnologia).

Em 2005, o Porto Digital se tornou o maior parque tecnológico do país, título provido pela consultoria internacional AT Kearney, e ainda foi tido como o melhor do Brasil pela Anprotec (Associação Nacional dos Parques Tecnológicos) nos anos de 2007 e 2011. Essas gratificações garantiram ao Recife um lugar de destaque no circuito tecnológico nacional - fato consumado através da publicação Learning by Sharing. Veiculada em 2008, ela elevou o polo de desenvolvimento tecnológico da Capital Pernambucana ao nível de referência internacional.